quinta-feira, 14 de janeiro de 2010

message boy*

só estou pensando em todo esse ano que passou, em tudo que eu vivi, em todos que eu conheci. um em especial. há quem chame de metido, de esnobe, o que for. mas eu não acredito, nem em mil anos.
fazia tempo que eu não me deparava com alguém tão íntegro, que tenha ideias que batem tão bem com as minhas. mas não é sobre isso que eu preciso falar, que eu quero falar agora. o que é bom não precisa ser explicado, ele simplesmente existe.
e claro, ele não precisa de "ice cream cones". tem o sorriso que conquista e o abraço que consola. joga futebol como ninguém, mesmo que não acredite nisso. tá, é são paulino, mas fazer o que né? ainda faço virar corinthiano. tem um dos melhores livros que já lí e uma letra de dar inveja. some por tempos longos demais, mas cá entre nós, só faz com que todos sintam sua falta. aposto com quem quiser que toca como ninguém e que vai fazer mais sucesso do que imagina. poderia ter toda a torcida feminina do flamengo aos seus pés, se quisesse. nem que não queira!
e eu não costumo fazer um texto dedicado a uma única pessoa, mas essa é uma exceção. pelo dia a dia de algumas semanas e pelas conversas até a madrugada. obrigada mesmo, de coração. pelas surpresas e por estar sempre aqui, mesmo que não apareça. eu também vou estar aí, do seu lado, mesmo que eu não apareça. eu só não sou do tipo de garota que comentaria algo [;

Um comentário:

  1. " ...o que é bom não precisa ser explicado, ele simplesmente existe. Sei não, Li. Tenho a impressão de que o ruim não marca hora nem pede licença para aparecer, e o que é bom requer belo trabalho para construir. Ou, sempre existindo, para revelar-se. Claro: a qualquer hora, qualquer de nós pode ganhar na loteria, mas há que jogar e correr os riscos.
    Bjs. Bom fim de semana.

    ResponderExcluir