sexta-feira, 3 de setembro de 2010

invisível aos olhos.

o ponto fundamental da descoberta humana passa despercebido da maioria das pessoas. conhecer alguém a fundo não requer tempo, nem habilidade, nem sentimentos prévios. requer apenas um pouco de atenção. a fraqueza que se revela inesperadamente, a tentativa de por em palavras o que há muito se sente. são as pequenas coisas que definem quem somos. são os gestos perdidos no tempo, os olhares cruzados, a mania de tempos atrás. porque você não precisa de uma longa conversa ou de convivência antiga. preste atenção no que é invisível aos olhos das outras pessoas. faça perguntas que te façam olhar para dentro da alma do outro alguém. pergunte sobre medos, sobre arrependimentos, sobre super-heróis e sobre filmes. pequenas coisas assim determinam quem somos e o que queremos ser. só é preciso um pouco de atenção.

'everybody are less misterious than they think they are'

2 comentários:

  1. Belo Texto!

    Parabéns, Aline. Escreve bem. Gostei!!

    ResponderExcluir
  2. Liih*, desculpando-me pela ausência forçada, digo-lhe, reforçando, o que aprendi com meu avô, caboclão da roça: "- A gente conhece o que alguém quer ser, na festa... E o que é, no trabalho...". Gostei do texto. E recomendo, especialmente para os que, podendo simplificar, gostam mais é de complicar. Parabéns, minha menina.

    Beijos.

    ResponderExcluir