quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

bem colado ao teu

e o que mais me espantou todo esse tempo foi o incrível paradoxo que ela havia se tornado na minha vida. por anos, ela foi a maior fonte de felicidade que eu poderia querer. depois de uma bruta reviravolta, ela havia se tornado a pior coisa que tinha me acontecido em anos. agora? agora ela é o maior símbolo de saudade que eu tenho, mesmo não possuindo nada concreto.
sinto tanta falta! não falta dela em si, já que ela me deixou irreparavelmente machucado. sinto falta, sim, do que ela significava pra mim. eu era uma pessoa completamente diferente, era uma versão plus de mim mesmo. a esperança e o companheirismo reinavam no meu peito. eu tinha a certeza de ter um chão, uma base forte para me firmar.
eu era tão bom! eu acreditava no amor que a gente sentia e na força que ele tinha. me sentia invencível. e não precisava de ninguém mais para me dar a mão.
quando eu perdi meu chão, tudo desabou. a única certeza que eu tinha ruiu da pior maneira que eu poderia prever. sinto muita falta das borboletas no estômago e da ansiedade antes de vê-la. e sabe qual é o meu maior medo? me esquecer do quanto eu era feliz. me esquecer do amor. daquele amor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário