terça-feira, 19 de abril de 2011

qual camisa joga bola até na chuva?




Sempre achei que saberia quando chegasse a hora de partir. De me libertar de você e de todo o passado. Achei que seria uma espécie de ritual de passagem, que eu sentiria uma parte importante e fundamental de mim escapando por entre meus dedos. Cheguei a esperar uma dor insuportável, só para depois descobrir que renascera, mais forte e sem você. Achei que saberia que havia chegado o momento quando parasse de escrever sobre você. Seria o desfecho perfeito, começar e terminar por ti. Você sabe que estar em minhas palavras é como estar em minha cabeça e em meu coração; nada mais justo que não estivesse também nesse meu caderninho velho.
Mas se surpreendi. Não senti nenhuma diferença palpável, só a esmagadora sensação de ter certeza de algo. E aconteceu em um dos piores dias que eu tenho notícia. No meio à euforia e à vontade de vencer, veio a dor. Dor esmagadora, que fez com o que eu senti por você fosse fichinha. Vi meus sonhos e minhas certezas escaparem ao mesmo tempo que as lágrimas escorriam. Observei pessoas indo e vindo, entrando e saindo do meu campo de visão embaçado e disforme.
E tudo o que eu mais queria naquele momento não era você! Não era em seu colo que eu queria estar com a cabeça. Não era a sua mão que eu queria apertar quando a dor se tornava demais para mim. Não era da sua boca que eu quis ouvir que tudo ia ficar bem.
Foi assim que eu descobri. E quem diria, alguém já havia me dito que seria assim e eu não quis acreditar. Agora eu sei. ..


'I wish I could be with you now'

Nenhum comentário:

Postar um comentário