quinta-feira, 1 de setembro de 2011

ah, o sorriso



Me deixa cuidar de você? Me deixa ser seu paraíso? Seu ponto de apoio? Na verdade, é algo perto de uma necessidade de te amparar, como você tem feito comigo. Não que eu tenha pedido, longe disso. Não que eu não fosse me recuperar sem você do meu lado, longe disso também. Só que é engraçado como esses caminhos da vida podem ser difíceis sem alguém do lado. E eu sei disso, ah meu bem, como eu sei. Então me deixe ser a mão que te segura, ok? Não aquela que te impede de correr; mas aquela que te puxa quando as pernas ficam cansadas.
Até porque, felicidade quem faz somos nós mesmos. Não pensando no futuro ou no passado, pensando no hoje, pensando no agora. Agora eu quero você, só você. Quero suas mãos quentes e sua risada contagiante. Quero deitar no seu abraço e sentir falta do seu calor. Quero ter a certeza de que te tenho aqui, mesmo quando não tenho. Quero poucas certezas nessa vida, uma delas é você.


'Ela deixou que a mão dele descesse até abaixo da cintura dela. E numa batida mais forte da percussão, num rodopio, girando juntos, ela pediu: -Deixa eu cuidar de você. Ele disse: -Deixo.'

Caio Fernando Abreu

Nenhum comentário:

Postar um comentário