quinta-feira, 6 de outubro de 2011

comprometida



É que essa história de amar é complicada. Tem que ser constante. Um exercício diário de fazer o amor girar. Como se apaixonar todos os dias pela mesma pessoa. Fundamental.

'Muitas vezes recordamos o casamento anos depois, [...] e só conseguimos lembrar "as férias, as emergências" - os pontos altos e baixos. O resto se funde num tipo nebuloso de mesmice cotidiana. Mas o poeta afirma que é exatamente essa mesmice nebulosa que compõe o casamento. O casamento é essas duas mil conversas indistintas, durante dois mil desjejuns indistintos, nos quais a intimidade gira como uma roda lenta. Como medir o valor de ficar tão familiar para alguém, tão absolutamente conhecido e tão completamente presente que viramos uma necessidade quase invisível, como o ar?'

Elizabeth Gilbert

Nenhum comentário:

Postar um comentário